quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Texto original sobre as conspirações.

The truth’, the TV show The X-Files told us, ‘is out there’. Millions of people worldwide seem to agree, disbelieving official accounts of important social and political events. In the United States, for example, scholars have noted a steady increase in the number of poll respondents who believe that Lee Harvey Oswald did not act alone in killing John F. Kennedy (Goertzel, 1994; McHoskey, 1995). In the wake of 9/11, commentators highlighted the proliferation of conspiracy theories about the event (e.g. Goldberg, 2004), with polls suggesting that more than a quarter of respondents believe the US government knew in advance (Zogby International, 2004), participated in, or took no action to stop the attacks (Hargrove & Stempel, 2006).

But conspiracy theories are not a uniquely American phenomenon: in a poll of seven predominantly Muslim countries, Gentzkow and Shapiro (2004) reported that almost four fifths of respondents did not believe the 9/11 attacks were carried out by Arabs, believing instead that it was the work of the US or Israeli governments (for other conspiracy theories in the Middle East, see Zonis & Joseph, 1994). In Britain, the BBC’s documentary series The Conspiracy Files has examined a range of theories in current circulation, including those about the deaths of Princess Diana and UN weapons inspector David Kelly, the bombing of PanAm Flight 103, and the London bombings of 7 July 2005.

Given such widespread belief in conspiracy theories across the globe, it comes as something of a surprise to learn that there remains a dearth of empirical research on the topic (Abalakina-Paap et al., 1999). Part of the problem may be that academics have traditionally not engaged with conspiracy theories for fear of being branded as conspiracy theorists themselves. Until recently, it was not uncommon to find accounts of possible or real conspiracies prefaced by disclaimers of the kind that Ramsay (1990) notes: ‘In intellectually respectable company, it is necessary to preface any reference to… conspiracies with the disclaimer that the speaker “doesn’t believe in the conspiracy theory of history (or politics)”.’

A related problem is in distinguishing between a conspiracy theory and an awareness of genuine political conspiracies. A broad definition of the former was provided in Hofstadter’s (1966) seminal essay, ‘The paranoid style in American politics’, where a conspiracy theory was described as a belief in the existence of a ‘vast, insidious, preternaturally effective international conspiratorial network designed to perpetrate acts of the most fiendish character’ (p.14; for extended discussions, see Bale, 2007; Sunstein & Vermeule, 2009). That such beliefs are relatively widespread suggests that they fulfil certain social functions or psychological needs; given this role, conspiracy theories are deserving of the same academic study as other religious, political or social beliefs (Bale, 2007).

The remainder of this article discusses both early work in sociology and cultural studies on the causes of conspiracy theorising, and emerging psychological research focused on the individual difference antecedents of conspiracy theories. We conclude with reasons why further research on conspiracy theories is important, both in terms of academic research and sociopolitical practice.

Early sociological work
Hofstadter’s (1966) essay on the ‘paranoid style’, in which he examined right-wing conspiracy theories, effectively set the tone of much of the research that was to follow. The paranoid style, Hofstadter (1971, pp.2–3) argued, was a result of ‘uncommonly angry minds’, whose judgement was somehow ‘distorted’. Following this vein, some scholars came to view conspiracy theories as a product of psychopathology, such as extreme paranoia, delusional ideation or narcissism (e.g. Groh, 1987; Plomin & Post, 1997). In this view, the incorrectness of conspiracy theories was usually assumed a priori and, more than this, the delusional aspect of conspiratorial beliefs was thought to result in an incapacity for social or political action (e.g. Hofstadter, 1971).

While it is possible that some people who believe in conspiracy theories suffer forms of psychopathology, this in itself is an incomplete explanation given how widespread conspiracy theories are (Sunstein & Vermeule, 2009; Waters, 1997). Hofstadter, however, has remained influential for his interest in why people acquire conspiracy theories, suggesting that a belief in conspiracy theories was more likely to emerge among those who felt powerless, disadvantaged or voiceless, especially in the face of catastrophe. To use a contemporary example, believing that the 7/7 London bombings were perpetrated by the British or Israeli governments may be, for some individuals at least, a means of making sense of turbulent social or political phenomena.

To the extent that conspiracy theories fill a need for certainty, it is thought they may gain more widespread acceptance in instances when establishment or mainstream explanations contain erroneous information, discrepancies, or ambiguities (Miller, 2002). A conspiracy theory, in this sense, helps explain those ambiguities and ‘provides a convenient alternative to living with uncertainty’ (Zarefsky, 1984, p.72). Or as Young and colleagues (1990, p.104) have put it, ‘[T]he human desire for explanations of all natural phenomena – a drive that spurs inquiry on many levels – aids the conspiracist in the quest for public acceptance.’

In addition, it is also thought that conspiracy theories offer explanations of the world that are not contradicted by information available to adherents. In the context of extremism, Hardin (2002) has discussed what he calls a ‘crippled epistemology’: in some cases, extremism is not an irrational response, but rather stems from the fact that people have very little correct or accurate information. Sunstein and Vermeule (2009) apply a similar perspective to conspiracy theories: those who believe in conspiracy theories may be responding rationally and logically to what little information they receive, even if that information appears absurd in relation to wider, publicly available knowledge.

Other scholars have extended or revised Hofstadter’s original powerlessness conjecture in order to explain how adherents come to hold conspiracy theories. Some have suggested that an inability to attain goals leads to conspiracy theories (Edelman, 1985; Inglehart, 1987), while others view conspiracy theories as affording adherents a means of maintaining self-esteem (e.g. Robins & Post, 1997), coping with persecution (Combs et al., 2002), reasserting individualism (Davis, 1969; Melley, 2000), expressing negative feelings (Ungerleider & Wellisch, 1979) or reaffirming imagined positions of exclusive knowledge (Mason, 2002). These contrasting theories, however, share the distinguishing assumption that conspiracy theories are a rational attempt to understand complex phenomena and deal with feelings of powerlessness. In this sense, such beliefs reveal not psychopathological minds but the lived experience and consciousness of groups of individuals (Sanders & West, 2003).

Psychological accounts

Early psychological studies often sought to highlight characteristics of conspiracy theories themselves, rather than characteristics of the audience. So, for example, conspiracy theories were described as being characterised by poor or unproven evidence, circular reasoning, repetition of unproved premises, and the creation of false predicaments (e.g. Young et al., 1990; Zarefsky, 1984). On the other hand, once the notion that conspiracy theories serve some psychological need became established, a small number of studies began to explicitly examine the socio-cognitive basis of those beliefs.

For example, one early study examined the effects of exposure to Oliver Stone’s 1991 film JFK, in which it is alleged that the assassination of John F. Kennedy was a conspiracy at the highest levels of government. The authors found that the film changed beliefs toward accepting the broad conspiracy theory and ‘significantly aroused anger’, which was explained as a function of helplessness (Butler et al., 1995, p.237). Moreover, viewing the film was found to be associated with a decrease in viewers’ (self-reported) intention to vote or make political contributions, suggesting that the message of the film carried over to general political judgements.

Other research activities have focused on the psychological factors and processes associated with belief in conspiracy theories. For example, some early work suggested that conspiracy theories emerged because of ‘an irrational need to explain big and important events with proportionately big and important causes’ McCauley & Jacques, 1979, p.637; see also Leman, 2007). Clarke (2002), on the other hand, has discussed conspiracy theories in the context of the fundamental attribution bias: because of the general tendency to overestimate the importance of dispositional factors and underestimate situational factors, conspiracy theorists are more likely to blame Hofstadter’s (1966) ‘preternaturally effective international conspiratorial network’ even when adequate situational explanations are available. This may be especially true when people are outraged or distressed and seek to justify their emotional state by claiming intentionality of actions even in the absence of evidence (cf. Festinger, 1957).

Sunstein and Vermeule (2009) have suggested that the emotional content of many conspiracy theories plays an important role in their dissemination and acceptance. They cite studies showing that ‘urban legends’ that are devised to trigger strong emotions are more likely to be spread among populations (e.g. Heath et al., 2001). Applying this to conspiracy theories, they postulate that conspiracy theories create intense emotions that help spread similar beliefs, while also providing a justification for affective states produced by some traumatic event.

Other relevant work has examined the psychological impact of exposure to conspiracy theories, particularly in relation to mass media sources (e.g. Butler et al., 1995), but also in relation to the third-person effect (the tendency for people to believe that persuasive media has a larger influence on others than themselves). In one study, Douglas and Sutton (2008) had participants read material containing conspiracy theories about Princess Diana’s death before rating their own and others’ agreement with the statements, as well as their perceived retrospective attitudes. They found that participants significantly underestimated how much the conspiracy theories influenced their own attitudes.

In an earlier study, McHoskey (1995) predicted that conspiracy theories concerning the assassination of JFK, and possibly all conspiracy theories, would continue endlessly because of the processes of biased assimilation and attitude polarisation. In the first instance, when opposing sides were presented with the same evidence, McHoskey (1995) showed that there was a tendency to uncritically accept evidence that was supportive of one’s own argument, while scrutinising and discrediting contrary evidence. When participants were presented with mixed evidence, there were signs of attitude polarisation, with participants reporting that they were more in favour of their initial viewpoint, rather than reporting a reversal of their beliefs. In a similar vein, Leman and Cinnirella (2007) found that conspiracy believers judged fictitious accounts of an assassination more plausible if it was consistent with their beliefs, a tendency called ‘confirmation bias’. Conspiracy believers found that ambiguous information fitted better with a conspiracist explanation, whereas non-believers believed it suited a non-conspiracist account. In other words, the same piece of information can be used to support very different accounts, depending on who it is presented to.

Individual differences
Perhaps one of the most important conclusions to emerge from the handful of studies to focus explicitly on the individual antecedents of belief in conspiracy theories was Goertzel’s (1994) assertion that conspiracy beliefs form part of a ‘monological belief system’. This allows conspiracy theorists to easily assimilate explanations for new phenomena that would otherwise be difficult to understand or would threaten their existing beliefs. Recent work supports this, showing that those who more strongly endorsed 9/11 conspiracy theories were also more likely to believe in other, seemingly unrelated conspiracy theories (Swami et al., in press).

Related work in this area has provided some support for early sociological work on conspiracy theories. For example, studies have variously reported significant associations between conspiracist ideation and anomie, distrust in authority, political cynicism, powerlessness and self-esteem (Abalakina-Paap et al., 1999; Goertzel, 1994; Swami et al., in press). Interestingly, at least two studies have also reported significant associations between conspiracist beliefs and authoritarianism (Abalakina-Paap et al., 1999; McHoskey, 1995), which the former study explained as a manifestation of the tendency of believers in conspiracy theories to blame outgroups for problems experienced by the ingroup.

Most recently, Swami and colleagues (in press) found that 9/11 conspiracist beliefs were significantly associated with the Big Five personality factor of Openness to Experience, with the authors suggesting that intellectual curiosity, an active imagination, and a proclivity for new ideas results in greater exposure and subsequent assimilation of conspiracist beliefs. Interestingly, Swami et al. (in press) also found that individuals who more strongly believed in conspiracy theories were more supportive of democratic principles. They went on to argue that, for participants who reject the political system as undemocratic, mainstream explanations of social events are unsatisfactory precisely because they are provided by the very sources that these participants doubt.

Good or bad?
What practical impact do conspiracy theories have? Some scholars (e.g. Clarke, 2002) argue that conspiracy theories are ultimately beneficial because they reveal actual anomalies in mainstream explanations and demand greater transparency from governments (see
also Leman, 2007). The fact that some conspiracy theories (such as US Department of Defence plans to stimulate acts of terrorism and blame them on Cuba) have turned out to be true certainly bears out this point. Miller (2002) likewise contends that conspiracy theories provide individuals with a public opportunity, otherwise likely denied to them, of addressing the credibility of governments or other socio-political actors. As Fenster (1999, p.109) writes, conspiracies ‘must be recognised as a cultural practice that attempts to map, in narrative form, the trajectories and effects of power’. In this view, conspiracy theories may be regarded as the beginnings of social movements that could create positive change and foster solidarity (Sasson, 1995).

The same authors, however, are also quick to caution that conspiracy theories remain limited because their critique of power structures is often highly simplistic. In many cases, conspiracy theories succumb to racist or exclusionary narratives, thus losing any positive thrust. Moreover, conspiracy theories typically threaten to unravel and ‘leave unsettled the resolution to the question of power that [they] attempt to address’ (Fenster, 1999, p.109). For Fenster (1999) and Miller (2002), in particular, conspiracy theories have the potential to create constructive socio-political change, but also the ability to sow discord, violence and public mistrust, while diverting attention from political issues of real significance and undermining democratic debate.

Some scholars have also noted the negative practical effects of conspiracy theories on a range of behaviours. Consider, for example, the conspiracy theories held by some that birth control and HIV/AIDS are plots against African Americans (e.g. Bird & Bogart, 2003).

Certainly, the history of segregation in the US, the conducting of unethical research with African Americans (such as the Tuskegee syphilis study), and contemporary experiences of racism help explain the existence of such theories. However, adherence to such conspiracy theories has also been associated with less consistent pregnancy prevention and condom use, possibly impacting upon knowledge about HIV/AIDS and AIDS prevention programmes (e.g. Bogart & Thorburn, 2006).

Documenting the prevalence of conspiracy theories only provides a starting point for tackling their negative effects. Because of their nature, beliefs in conspiracy theories have proven very difficult to repudiate (Keeley, 1999): group members may segregate themselves (informationally, though also, sometimes, physically) and over time become increasingly distrustful of the motives of others. Kramer (1994) called this an example of a ‘sinister attribution error’: because in extreme cases they feel under constant scrutiny, individuals may overestimate personalistic motives among others and see purposeful plots where there are in fact benign actions.

In such a scenario, what should be the response of scholars and other interested parties? Some authors have recently suggested possible practical means of tackling false and harmful conspiracy theories, such as enlisting independent groups to rebut theories or ‘cognitively infiltrate’ conspiracist groups (see Sunstein & Vermeule, 2009). The assumption here is that beliefs in conspiracy theories reflect insufficiently critical assimilation of knowledge and that practical steps can be taken, albeit with difficulty, to counter that crippled epistemology. On another level, however, many contemporary conspiracy theories also reflect a deep cynicism toward, and diminished faith in, governance (Goldberg, 2004). For example, the finding that almost a quarter of British Muslims believe that the four men blamed for the London bombings did not carry out the attacks (Soni, 2007) reflects, in part at least, the alienation of many British Muslims from mainstream politics and governance. A first and important step in tackling potentially harmful conspiracy theories would be to address such causes of popular discontent.

For scholars, there remain several neglected individual difference variables, including just-world beliefs, locus of control, subjective happiness, and possibly even paranormal beliefs. It may also prove useful to distinguish between beliefs that reflect ‘political paranoia’ in the traditional sense, and political realism. In doing so, it will be important for scholars to drop the assumption that all conspiracy theories are equally unbelievable. Only by evaluating and understanding ‘both the context of the explanation and the effects of the explanation’ (Waters, 1997, p.123) will we appreciate to what extent conspiracy theories reflect everyday cognitions.

Viren Swami
is in the Department of Psychology at the University of Westminster

Rebecca Coles
is in the Department of Psychology at the University of Westminster


Abalakina-Paap, M., Stephan, W.G. et al. (1999). Beliefs in conspiracies. Political Psychology, 20, 637–647.
Bale, J.M. (2007). Political paranoia v. political realism. Patterns of Prejudice, 41, 45–60.
Bird, S.T. & Bogart, L.M. (2003). Birth control conspiracy beliefs, perceived discrimination, and contraception among African Americans. Journal of Health Psychology, 8, 263–276.
Bogart, L.M. & Thorburn, S.T. (2006). Relationship of African Americans’ sociodemographic characteristics to belief in conspiracies about HIV/AIDS and birth control. Journal of the National Medical Association, 98, 1144–1150.
Butler, L.D., Koopman, C. & Zimbardo, P.G. (1995). The psychological impact of the film JFK. Political Psychology, 16, 237–257.
Clarke, S. (2002). Conspiracy theories and conspiracy theorizing. Philosophy of the Social Sciences, 32, 131–150.
Combs, D.R., Penn, D.L. & Fenigstein, A. (2002). Ethnic differences in subclinical paranoia. Cultural Diversity and Ethnic Minority Psychology, 8, 248–256.
Davis, D.B. (1969). The slave power conspiracy and the paranoid style. Baton Rouge, FL: Louisiana State University Press.
Douglas, K.M. & Sutton, R.M. (2008). The hidden impact of conspiracy theories: Perceived and actual influence of theories surrounding the death of Princess Diana. Journal of Social Psychology, 148, 210–221.
Edelman, M. (1985). The symbolic use of politics (2nd edn). Urbana, IL: University of Illinois Press.
Fenster, M. (1999). Conspiracy theories: Secrecy and power in American culture. Minneapolis, MN: University of Minnesota Press.
Festinger, L. (1957). A theory of cognitive dissonance. Evanston, IL: Row & Peterson.
Gentzkow, M.A. & Shapiro, J.M. (2004). Media, education, and anti-Americanism in the Muslim world. Journal of Economic Perspectives, 18, 117–133.
Goertzel, T. (1994). Belief in conspiracy theories. Political Psychology, 15, 731–742.
Goldberg, R.A. (2004). Who profited from the crime? Intelligence and National Security, 19, 249–261.
Groh, D. (1987). The temptation of conspiracy theory, or: Why do bad things happen to good people? In C. F. Graumann & S. Moscovici (Eds.) Changing conceptions of conspiracy (pp.1–37). New York: Springer-Verlag.
Hardin, R. (2002). The crippled epistemology of extremism. In A. Breton et al. (Eds.) Political extremism and rationality (pp.3–22). Cambridge: Cambridge University Press.
Hargrove, T. & Stempel III, G.H. (2006). A third of U.S. public believes 9/11 conspiracy theory. www.shns.com.
Heath, C., Bell, C. & Sternberg, E. (2001). Emotional selection in memes. Journal of Personality and Social Psychology, 81, 1028–1041.
Hofstadter, R. (1966). The paranoid style in American politics. In R. Hofstader (Ed.) The paranoid style in American politics and other essays (pp.3–40). New York: Knopf.
Hofstadter, R. (1971). The paranoid style in American politics. In D.B. Davis (Ed.) The fear of conspiracy (pp.2–8). Ithaca, NY: Cornell University Press.
Inglehart, R. (1987). Extremist political positions and perceptions of conspiracy. In C.F. Graumann & S. Moscovici (Eds.) Changing conceptions of conspiracy (pp.231–244). New York: Springer-Verlag.
Keeley, B.L. (1999). Of conspiracy theories. Journal of Philosophy, 96, 109–126.
Kramer, R.M. (1994). The sinister attribution error. Motivation and Emotion, 18, 199–230.
Leman, P.J. (2007, July 14). The born conspiracy. New Scientist, pp.35–37.
Leman, P.J. & Cinnirella, M. (2007). A major event has a major cause. Social Psychological Review, 9, 18–28.
Mason, F. (2002). A poor person’s cognitive mapping. In P. Knight (Ed.) Conspiracy nation (pp.40–56). New York: New York University Press.
McCauley, C. & Jacques, S. (1979). The popularity of conspiracy theories of presidential assassination. Journal of Personality and Social Psychology, 37, 637–644.
McHoskey, J.W. (1995). Case closed? Basic and Applied Social Psychology, 17, 395–409.
Melley, T. (2000). Empire of conspiracy. Ithaca, NY: Cornell University Press.
Miller, S. (2002). Conspiracy theories: Public arguments as coded social critiques. Argumentation and Advocacy, 39, 40–56.
Plomin, R.S. & Post, J.M. (1997). Political paranoia. New Haven, CT: Yale University Press.
Ramsay, R. (1990). Conspiracy, conspiracy theories, and conspiracy research. Lobster, 19, 22–29.
Robins, R.S. & Post, J.M. (1997). Political paranoia. New Haven, CT: Yale University Press.
Sanders, T. & West, H. (2003). Power revealed and concealed in the New World Order. In H.G. West & T. Sanders (Eds.) Transparency and conspiracy (pp.1–37). London: Duke University Press.
Sasson, T. (1995). African American conspiracy theories and the social construction of crime. Sociological Inquiry, 65, 265–285.
Soni, D. (2007, June 4). Survey: ‘Government hasn’t told truth about 7/7’. www.channel4.com.
Sunstein, C.R. & Vermeule, A. (2009). Conspiracy theories: Causes and cures. Journal of Political Philosophy, 17, 202–227.
Swami, V., Chamorro-Premuzic, T. & Furnham, A. (in press). Unanswered questions: A preliminary investigation of personality and individual difference predictors of 9/11 conspiracist beliefs. Applied Cognitive Psychology.
Ungerleider, J.T. & Wellisch, D.K. (1979). Coercive persuasion (brain-washing), religious cults, and deprogramming. American Journal of Psychiatry, 136, 279–282.
Waters, A.M. (1997). Conspiracy theories as ethnosociologies. Journal of Black Studies, 28, 112–125.
Young, M.J., Launer, M.K. & Austin, C.C. (1990). The need for evaluative criteria. Argumentation and Advocacy, 26, 89–107.
Zarefsky, D. (1984). Conspiracy arguments in the Lincoln-Douglas debates. Journal of the American Forensic Association, 21, 63–75.
Zogby International (2004). Half of New Yorkers believe U.S. leaders had foreknowledge of impending 9-11 attacks and ‘consciously failed to act’. http://zogby.com.
Zonis, M. & Joseph, C.G. (1994). Conspiracy thinking in the Middle East. Political Psychology, 15, 443–459.

Sobre conspirações...

A verdade ', o programa de TV The X-Files nos disse, "é lá fora". Milhões de pessoas em todo o mundo parecem concordar, descrendo contas oficiais de importantes acontecimentos sociais e políticos. Nos Estados Unidos, por exemplo, os estudiosos têm notado um aumento constante no número de participantes das pesquisas que acreditam que Lee Harvey Oswald não agiu sozinho no assassinato de John F. Kennedy (Goertzel, 1994; McHoskey, 1995). Na esteira de 9/11, os comentaristas destacaram a proliferação de teorias conspiratórias sobre o evento (por exemplo, Goldberg, 2004), com pesquisas que sugerem que mais de um quarto dos entrevistados acreditam que o governo dos EUA sabia de antemão (Zogby International, 2004), participou , ou não tomou nenhuma ação para parar os ataques (Hargrove & Stempel, 2006).

Mas as teorias conspiratórias não são um fenômeno exclusivamente americano: em uma pesquisa de sete países predominantemente muçulmanos, Gentzkow e Shapiro (2004) relataram que quase quatro quintos dos entrevistados não acreditam que os ataques de 9/11 foram realizados por árabes, acreditando vez que foi o trabalho dos governos dos EUA ou de Israel (por teorias conspiratórias outros no Oriente Médio, ver Zonis & Joseph, 1994). Na Grã-Bretanha, série de documentários da BBC Os Arquivos da Conspiração examinou uma série de teorias em circulação actual, incluindo aquelas sobre as mortes da princesa Diana e de armas da ONU inspetor David Kelly, o bombardeio da PanAm Flight 103, e os atentados de Londres de 7 de julho de 2005 .

Dado crença generalizada de tais teorias da conspiração em todo o mundo, ela vem como uma surpresa ao saber que ainda há uma carência de pesquisas empíricas sobre o tema (Abalakina-Paap et al., 1999). Parte do problema pode ser que os acadêmicos não têm tradicionalmente envolvida com as teorias da conspiração por medo de serem estigmatizados como os teóricos da conspiração em si. Até recentemente, não era raro encontrar relatos de possíveis conspirações reais ou prefaciado por isenções do tipo que Ramsay (1990) observa: "Na companhia intelectualmente respeitável, é necessário iniciar qualquer referência a ... conspirações com o aviso de que o alto-falante "não acredita na teoria da conspiração da história (ou política)". '

Um problema relacionado é na distinção entre uma teoria da conspiração e uma consciência de verdadeiros conspirações políticas. A definição ampla do que o primeiro foi fornecida no ensaio de Hofstadter (1966) seminal, "O estilo paranóico na política americana", onde uma teoria da conspiração foi descrito como uma crença na existência de uma "vasta, insidiosa, extraordinariamente eficaz rede internacional conspiratória projetado para perpetrar atos de caráter mais diabólica "(p.14; para discussões alargadas, ver Bale, 2007; Sunstein & Vermeule, 2009). Que tais crenças são relativamente generalizada sugere que cumprir determinadas funções sociais ou necessidades psicológicas; dado esse papel, as teorias da conspiração são merecedores do mesmo estudo acadêmico como outros religiosos, crenças políticas ou sociais (Bale, 2007).

O restante deste artigo discute tanto trabalho no início de sociologia e estudos culturais sobre as causas da teorização conspiração, e emergentes pesquisa psicológica centrada sobre os antecedentes diferença individual de teorias da conspiração. Concluímos com razões mais pesquisas sobre teorias da conspiração é importante, tanto em termos de pesquisa acadêmica e prática sócio-política.

Trabalho sociológico cedo
Ensaio Hofstadter (1966) sobre o "estilo paranóico ', em que examinou teorias da conspiração de direita, de forma eficaz definir o tom de boa parte da investigação que se seguiria. O estilo paranóico, Hofstadter (1971, pp.2-3) argumentou, foi resultado de "extraordinariamente irritado mentes ', cujo julgamento foi de alguma forma" distorcida ". Seguindo essa linha, alguns estudiosos passaram a ver teorias da conspiração como um produto da psicopatologia, como paranóia extrema, ideação delirante ou narcisismo (por exemplo, Groh, 1987; Plomin & Post, 1997). Nesta perspectiva, a incorreção das teorias de conspiração foi geralmente assumido a priori e, mais do que isso, o aspecto ilusório de crenças conspiratórias foi pensado para resultar em uma incapacidade de ação social ou política (por exemplo, Hofstadter, 1971).

Embora seja possível que algumas pessoas que acreditam em teorias conspiratórias sofrem formas de psicopatologia, isso em si é uma explicação incompleta dada a teorias da conspiração são generalizados (Sunstein & Vermeule, 2009; Waters, 1997). Hofstadter, no entanto, manteve-se influente por seu interesse em saber por que as pessoas adquirem as teorias da conspiração, sugerindo que a crença em teorias da conspiração era mais provável que surja entre aqueles que se sentia impotente, em desvantagem ou marginalizados, especialmente em face de uma catástrofe. Para usar um exemplo contemporâneo, acreditando que os atentados 7/7 de Londres foram perpetrados pelos governos britânico ou israelense pode ser, para alguns indivíduos, pelo menos, um meio de dar sentido a turbulência fenômenos sociais ou políticos.

Na medida em que as teorias da conspiração preencher uma necessidade de segurança, acredita-se que eles podem ganhar mais aceitação generalizada em casos em que explicações estabelecimento ou mainstream conter informações erradas, as discrepâncias ou ambigüidades (Miller, 2002). A teoria da conspiração, neste sentido, ajuda a explicar essas ambigüidades e "fornece uma alternativa conveniente para viver com a incerteza" (Zarefsky, 1984, p.72). Ou, como jovem e colegas (1990, p.104) colocaram, "[T] ele desejo humano para obter explicações sobre todos os fenômenos naturais - uma unidade que estimula a investigação em vários níveis -. Ajuda o conspiracist na busca da aceitação do público '

Além disso, pensa-se também que as teorias conspiratórias oferecem explicações do mundo que não estão em contradição com as informações disponíveis para os adeptos. No contexto do extremismo, Hardin (2002) discutiu o que ele chama de "epistemologia aleijado": em alguns casos, o extremismo não é uma resposta irracional, mas sim decorre do fato de que as pessoas têm muito pouca informação correta ou precisa. Sunstein e Vermeule (2009) aplicar uma perspectiva semelhante às teorias da conspiração: aqueles que acreditam em teorias da conspiração podem responder de forma racional e logicamente a pouca informação que recebem, mesmo que a informação parece absurdo em relação ao conhecimento mais amplo, à disposição do público.

Outros estudiosos prorrogado ou revisto conjectura Hofstadter impotência original, a fim de explicar como os adeptos vêm para segurar as teorias da conspiração. Alguns têm sugerido que a impossibilidade de atingir as metas leva a teorias da conspiração (Edelman, 1985; Inglehart, 1987), enquanto outros vêem teorias conspiratórias como adeptos proporcionando um meio de manter a auto-estima (por exemplo, Robins & Post, 1997), lidar com a perseguição (Combs et al, 2002)., reafirmando o individualismo (Davis, 1969; Melley, 2000), expressão de sentimentos negativos (Ungerleider & Wellisch, 1979) ou reafirmar posições imaginárias de conhecimento exclusivo (Mason, 2002). Essas teorias contrastantes, no entanto, compartilham o pressuposto de distintivos que teorias de conspiração são uma tentativa racional de compreender fenómenos complexos e lidar com sentimentos de impotência. Nesse sentido, essas crenças não revelar mentes psicopatológicos, mas a experiência vivida ea consciência de grupos de indivíduos (Sanders & West, 2003).

Contas psicológicos

Os primeiros estudos psicológicos, muitas vezes procurou destacar as características de teorias de conspiração em si, em detrimento de características da audiência. Assim, por exemplo, as teorias conspiratórias foram descritos como sendo caracterizado por evidência pobre ou não provada, raciocínio circular, a repetição de lojas não provadas, ea criação de predicamentos falsos (por exemplo, Young et ai, 1990;. Zarefsky, 1984). Por outro lado, uma vez que a noção de que as teorias da conspiração servir alguma necessidade psicológica tornou-se estabelecido, um pequeno número de estudos começou a examinar explicitamente a base sócio-cognitiva dessas crenças.

Por exemplo, um estudo inicial examinou os efeitos da exposição de 1991 de Oliver Stone, filme JFK, em que alega-se que o assassinato de John F. Kennedy foi uma conspiração nos mais altos níveis do governo. Os autores descobriram que o filme mudou as crenças em direção a aceitar a teoria da conspiração ampla e "raiva significativamente despertou", o que foi explicado em função do desamparo (Butler et al., 1995, p.237). Além disso, vendo o filme foi encontrado para ser associado com uma diminuição de espectadores "(auto-referida) intenção de votar ou fazer contribuições políticas, sugerindo que a mensagem do filme realizado sobre a política geral julgamentos.

Outras actividades de investigação têm-se centrado sobre os fatores e processos psicológicos associados com a crença em teorias da conspiração. Por exemplo, alguns trabalhos iniciais sugeriram que as teorias conspiratórias surgiram por causa de "uma necessidade irracional para explicar eventos grandes e importantes com as causas proporcionalmente grandes e importantes dos McCauley & Jacques, 1979, p.637, ver também Leman, 2007). Clarke (2002), por outro lado, discutiu as teorias da conspiração, no âmbito do viés de atribuição fundamental: por causa da tendência geral a superestimar a importância dos fatores disposicionais e subestimar os fatores situacionais, os teóricos da conspiração são mais propensos a culpar Hofstadter (1966 ) "extraordinariamente eficaz rede internacional de conspiração", mesmo quando explicações situacionais adequados estão disponíveis. Isso pode ser especialmente verdade quando as pessoas estão indignadas ou angustiados e procuram justificar seu estado emocional, alegando a intencionalidade das ações, mesmo na ausência de provas (cf. Festinger, 1957).

Sunstein e Vermeule (2009) sugeriram que o conteúdo emocional de muitas teorias de conspiração desempenha um papel importante na sua divulgação e aceitação. Eles citam estudos que mostram que de lendas urbanas 'que são concebidos para provocar emoções fortes são mais propensos a se espalhar entre as populações (por exemplo, Heath et al., 2001). Aplicando esta a teorias de conspiração, eles postulam que as teorias da conspiração criar emoções intensas que ajudam a espalhar crenças similares, além de fornecer uma justificativa para estados afetivos produzidos por algum evento traumático.

Outros trabalhos relevantes examinou o impacto psicológico da exposição a teorias conspiratórias, especialmente em relação a fontes de mídia de massa (por exemplo, Butler et al., 1995), mas também em relação ao efeito de terceira pessoa (a tendência para as pessoas acreditarem que persuasivo mídia tem uma maior influência sobre os outros do que eles mesmos). Em um estudo, Douglas e Sutton (2008) teve participantes leram as teorias da conspiração sobre materiais contendo morte da princesa Diana antes de avaliar sua própria e concordância dos outros com as declarações, bem como suas atitudes percebidas retrospectivos. Eles descobriram que os participantes significativamente subestimado o quanto as teorias de conspiração influenciado suas próprias atitudes.

Em um estudo anterior, McHoskey (1995) previu que as teorias conspiratórias sobre o assassinato de JFK e, possivelmente, todas as teorias da conspiração, continuaria indefinidamente por causa dos processos de assimilação parcial e polarização atitude. Em primeira instância, os lados opostos quando foram apresentados com a mesma evidência, McHoskey (1995) mostrou que houve uma tendência a aceitar acriticamente evidência de que era solidário de um argumento do próprio, enquanto evidência contrária controlar e descrédito. Quando os participantes foram presenteados com sinais mistos, havia sinais de polarização atitude, com os participantes informando que eles estavam mais em favor de seu ponto de vista inicial, ao invés de relatar uma reversão de suas crenças. Numa veia similar, Leman e Cinnirella (2007) encontraram que os crentes da conspiração julgado contas fictícias de um assassinato mais plausível, se fosse consistente com suas crenças, uma tendência chamada de "viés de confirmação". Crentes de conspiração constatou que a informação ambígua equipados melhor com uma explicação conspiracist, enquanto os não-crentes acreditavam que atendia a conta não conspiracist. Em outras palavras, a mesma peça de informação pode ser usada para suportar as contas muito diferentes, dependendo do que é apresentado para.

As diferenças individuais
Talvez uma das conclusões mais importantes a surgir a partir de um punhado de estudos para se concentrar explicitamente sobre os antecedentes individuais de crença em teorias da conspiração era a afirmação de Goertzel (1994) que fazem parte da conspiração crenças de um "sistema de crenças monológica '. Isso permite que os teóricos da conspiração facilmente assimilar novas explicações para os fenômenos que de outra forma seriam difíceis de entender ou poderia ameaçar suas crenças existentes. Trabalhos recentes suporta este, mostrando que aqueles que mais fortemente apoiado teorias 9/11 de conspiração também foram mais propensos a acreditar em outras teorias da conspiração aparentemente não relacionados (Swami et al., No prelo).

Trabalhos relacionados com esta área tem prestado algum apoio para o trabalho sociológico no início teorias da conspiração. Por exemplo, estudos têm relatado de forma variada associações significativas entre ideação conspiracist e anomia, desconfiança na autoridade, cinismo político, impotência e auto-estima (Abalakina-Paap et al, 1999;. Goertzel, 1994;. Swami et al, in press). Curiosamente, pelo menos dois estudos também relataram associações significativas entre as crenças conspiracist e autoritarismo (Abalakina-Paap et al, 1999;. McHoskey, 1995), que o estudo anterior explicado como uma manifestação da tendência dos crentes em teorias da conspiração para culpar outgroups para os problemas vivenciados pelo grupo interno.

Mais recentemente, Swami e colegas (no prelo) revelou que 9/11 crenças conspiracist foram significativamente associados com o fator de personalidade Big Five de abertura à experiência, com os autores sugerem que a curiosidade intelectual, uma imaginação ativa, e uma propensão para novos resultados idéias na maior exposição e posterior assimilação de crenças conspiracist. Curiosamente, Swami et al. (No prelo) também encontraram que os indivíduos que mais fortemente acredita em teorias conspiratórias foram mais favoráveis ​​dos princípios democráticos. Eles passaram a argumentar que, para os participantes que rejeitam o sistema político como antidemocráticos, explicações tradicionais de eventos sociais são insatisfatórios, precisamente porque eles são fornecidos pelas próprias fontes que dúvida estes participantes.

Bom ou ruim?
O impacto prático não tem teorias conspiratórias? Alguns estudiosos (por exemplo, Clarke, 2002) argumentam que as teorias da conspiração são, em última análise benéfica porque revelam anomalias reais nas explicações tradicionais e exigir maior transparência dos governos (ver
também Leman, 2007). O fato de que algumas teorias conspiratórias (como EUA Departamento de Defesa pretende estimular actos de terrorismo e culpá-los em Cuba) acabaram por ser verdade, certamente confirma este ponto. Miller (2002) também afirma que as teorias da conspiração proporcionar aos indivíduos uma oportunidade do público, caso contrário, provavelmente negou-lhes, de abordar a credibilidade dos governos e outros atores sócio-políticos. Como Fenster (1999, p.109) escreve, conspirações "deve ser reconhecido como uma prática cultural que tenta mapear, em forma narrativa, as trajetórias e os efeitos de poder". Nesta perspectiva, as teorias da conspiração podem ser consideradas como o início de movimentos sociais que poderiam criar uma mudança positiva e fomentar a solidariedade (Sasson, 1995).

Os mesmos autores, no entanto, estão também prontos a advertir que as teorias da conspiração permanecem limitados porque a sua crítica das estruturas de poder é muitas vezes altamente simplista. Em muitos casos, as teorias da conspiração sucumbem a narrativas racistas ou de exclusão, perdendo assim qualquer impulso positivo. Além disso, teorias da conspiração tipicamente ameaçar a desvendar e 'deixar inquieta a resolução para a questão do poder que [eles] tentativa de tratar "(Fenster, 1999, p.109). Para Fenster (1999) e Miller (2002), em particular, as teorias da conspiração têm o potencial para criar mudanças sócio-político construtivo, mas também a capacidade para semear a violência, discórdia e desconfiança do público, enquanto que desviar a atenção de questões políticas de importância real e minar o debate democrático.

Alguns estudiosos também observaram os efeitos negativos práticas de teorias de conspiração em uma gama de comportamentos. Considere, por exemplo, as teorias de conspiração realizada por alguns que controle de natalidade e HIV / AIDS são conspirações contra Africano americanos (por exemplo, Bird & Bogart, 2003).

Certamente, a história da segregação nos os EUA, a realização de pesquisas anti-ético com Africano americanos (como o estudo de sífilis de Tuskegee), e experiências contemporâneas de racismo ajuda explicar a existência de tais teorias. No entanto, a adesão a teorias da conspiração também tem sido associada a prevenção da gravidez e menos consistente do uso do preservativo, possivelmente algum impacto sobre o conhecimento sobre o HIV / AIDS e programas de prevenção da AIDS (por exemplo, Bogart & Thorburn, 2006).

Documentando a prevalência de teorias de conspiração somente fornece um ponto de partida para combater seus efeitos negativos. Devido à sua natureza, as crenças em teorias da conspiração têm se mostrado muito difícil repudiar (Keeley, 1999): membros do grupo podem se segregam (informacionalmente, embora também, às vezes, fisicamente) e ao longo do tempo tornam-se cada vez mais desconfiada dos motivos dos outros. Kramer (1994) chamam a isto um exemplo de um "erro de atribuição sinistra ': porque em casos extremos, eles se sentem sob constante escrutínio, os indivíduos podem superestimar motivos personalistas entre outros e ver parcelas propositais onde há de fato ações benignas.

Em tal cenário, qual deve ser a resposta de estudiosos e outros interessados? Alguns autores têm sugerido recentemente possíveis meios práticos de combater teorias conspiratórias falsas e prejudiciais, tais como alistamento grupos independentes para refutar teorias ou 'cognitivamente infiltrar dos grupos conspiracist (ver Sunstein e Vermeule, 2009). A suposição aqui é que as crenças em teorias da conspiração refletir assimilação pouco crítica do conhecimento e que medidas concretas podem ser tomadas, embora com dificuldade, para contrariar a epistemologia aleijado. Em outro nível, no entanto, muitas teorias da conspiração contemporâneas também refletem um profundo cinismo direção, e fé em diminuição, governança (Goldberg, 2004). Por exemplo, a constatação de que quase um quarto dos muçulmanos britânicos acreditam que os quatro homens culpados pelos atentados de Londres não realizar os ataques (Soni, 2007) reflete, pelo menos em parte, a alienação de muitos muçulmanos britânicos da política mainstream e governança. Um primeiro e importante passo na luta contra as teorias da conspiração potencialmente prejudiciais seria enfrentar tais causas de descontentamento popular.

Para os estudiosos, continuam a existir várias variáveis ​​individuais negligenciadas diferença, incluindo apenas o mundo das crenças, locus de controle, a felicidade subjetiva, e possivelmente até mesmo crenças paranormais. Também pode ser útil para distinguir entre as crenças que refletem a 'paranóia política "no sentido tradicional, e realismo político. Ao fazer isso, será importante para os estudiosos a cair no pressuposto de que todas as teorias da conspiração são igualmente inacreditável. Somente através da avaliação e compreensão "tanto no contexto da explicação e os efeitos da explicação" (Waters, 1997, p.123) vamos apreciar o que as teorias da conspiração extensão refletir cognições diárias.

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Kardec em Quadros

Uma vez criei um roteiro que batizei de Kardec. Uma peregrinação heroica em um momento peculiar e transitório no século XIX.
Falar dessa transição de ideias metafísicas que originaram o século XX e XXI sempre foi a minha intenção com o livro. Falar de religiões, ocultismo e ideias fantásticas sobre o que é a realidade. Eu queria escrever sobre o século XIX, mas o século XIX que desconhecemos.
Kardec não é documentário, mas também não é só ficção. É o que eu chamo de ficção
histórica. Então é um meio-termo. Kardec também não é uma aula ou ensaio sobre
espiritismo. Kardec é um livro de aventura que tem como universo abordado a origem do
espiritismo. Kardec é um Robinson Crusoé.

A primeira fonte de inspiração para este projeto foi Charles Crumb, o irmão de Robert
Crumb. Tudo começou em 1996, quando eu assisti ao filme Crumb. Charles Crumb,
aficionado pelo século XIX, despertou em mim o mesmo fascínio e curiosidade.

“A sua luz e, supostamente, a sua sombra”. A partir de 1996, eu li e reli os clássicos como Poe, Joseph Conrad, Robert Stevenson, Kipling e outros autores. Outro aficionado pelo século XIX foi Alan Moore, com o seu Do Inferno. Alan Moore e Eddie Campbell fizeram uma obra-prima.
Inicialmente, encontrava-me sem algum plano ou objetivo criativo, possuindo apenas sede de ler e viajar no século XIX, de criar a planta baixa imaginativa sobre o século XIX. Com o meu amigo Guazzelli, aprendi que é possível conhecer muito mais sobre História com a ficção, com literatura, cinema e outras artes do que propriamente com o estudo clássico da História.

Passados os anos de 1998 até 2007, eu tive a ideia de escrever sobre o século XIX.
Primeiramente eu pensei em adaptar Sherlock Holmes, mas logo desisti da ideia. Então,
criei um roteiro de como Conan Doyle criou o Sherlock e, pesquisando sobre Doyle,
cheguei até o livro que ele escreveu sobre o espiritismo. Foram as ligações de Conan Doyle com o espiritismo que me fizeram chegar ao Kardec.

Vou precisar fazer um parêntese:
Os Sertões- a luta (editora Desiderata) não foi a minha primeira narrativa longa. A primeira foi Caos, hq autoral que escrevi, desenhei e editei. E Kardec, de certa forma, foi revistar Caos.
As ideias que explorei em Kardec foram antes semeadas em Caos. Caos é sobre uma
personagem que investiga o suposto sobrenatural e é absorvida por esse universo. Kardec segue a mesma linha, as mesmas leis e universo.

Voltando ao ESPIRITISMO de Conan Doyle, lendo sobre esse livro, lembrei de Allan
Kardec. Peguei da estante uma edição de O Livro dos Médiuns, que comprei em um sebo, e comecei a ler. Foi ali que fui fisgado pelas mesas girantes e tive a certeza de que essa era a história que eu queria escrever.

O que eu busquei com esse roteiro foi um marco zero para mim, tudo que criei nos
quadrinhos antes seria posto na gaveta ou na geladeira. Uma nova busca criativa começaria dali.
No início, eu não queria só escrever, mas também desenhar. Escrevi o roteiro das primeiras cenas e em seguida veio o convite para adaptar Os Sertões – A Luta. Congelei por um tempo e me dediquei à adaptação da obra de Euclides da Cunha. Mas, no meio do processo...

O Rodrigo Rosa e eu, quando trabalhamos juntos, somos uma espécie de “centauro”. Às
vezes um é a razão e outro o instinto, ou vice-versa. Somos artistas diferentes, de ideias diferentes, mas com buscas próximas que, somadas às nossas artes, fazem surgir uma nova criatura, o centauro. Foi ele que me apresentou um concurso de álbuns em uma editora na Espanha e me propôs fazermos um projeto para participarmos. Conversando sobre o concurso, mostrei o roteiro das cenas do Kardec que eu tinha escrito e ele rapidamente me convenceu de que seria o desenhista desse álbum. Desisti de desenhar Kardec (quase sempre desisto de desenhar, e a culpa é tua, mãe...). Agora, sério... Desisti de desenhar porque o meu Kardec seria algo mais próximo Do Inferno. Por isso achei que seria interessante passar o bastão para o Rodrigo Rosa. Rodrigo e eu queremos trabalhar como uma dupla de quadrinhos há mais de 20 anos. Nossas maiores inspirações são Osterheld e Breccia, Sampayo e Muñoz, Abuli e Bernet. Também somos amigos há mais de vinte anos. Como temos outros projetos, achei interessante dividir esse livro com ele, esses quadrinhos, principalmente porque a busca do Rodrigo aqui transcende ao interesse com as artes. Rodrigo tem o espiritismo em casa, com a família. Já eu sou de uma família que é uma salada religiosa e mística, mas me mantenho agnóstico.

A minha visão sobre Allan Kardec era leiga. Ele era algo como a figura do médium que via espíritos, como um vovozinho. Nada a ver com o que descobri... Descobri que para muitos espíritas a verdade sobre Allan Kardec era desconhecida também.

Como diretor de programas de tevê, contribuí diversos anos com episódios da série
Histórias Extraordinárias, na RBS TV, oficio que me deu experiência no campo de
pesquisas. Essa é a fase que mais me fascina: a pesquisa. Para a pesquisa e a investigação em Kardec, eu li 27 livros. Livros escritos por Allan Kardec, sobre Allan Kardec, sobre Espiritismo, Druidas, Celtas, Xamãs, Paris, Roma. Assisti a filmes que não eram ligados ao espiritismo, mas que me impulsionavam a buscar o teor de realismo e estética apropriados ao Kardec. Li e visitei vários sites e blogs sobre os assuntos envolvidos. Isso antes e durante a produção do roteiro. Não acredito em um processo de criação de uma história em quadrinhos em que o roteiro deve ser produzido e finalizado antes dos desenhos. Acho que com os quadrinhos é importante os dois processos acontecerem quase juntos. Digamos que o roteiro larga na frente, e o desenhista serve como um laboratório, pois é o primeiro leitor. Através da reação dele podemos aprender se o texto vai funcionando ou não. E nessa curta experiência que tenho, percebi que o texto em partes estimula muito o desenhista a se aventurar e aprofundar o seu talento. Essa foi a experiência navegada para o Rodrigo. Ele viu as mudanças acontecerem do primeiro ao último tratamento de argumento. Inicialmente
Kardec foi projetado em 80 páginas. Foi o Rodrigo que trouxe energia para 100 páginas, executando tudo o que está no roteiro em seus belos desenhos. Quando
comecei o texto do roteiro fui metódico e decupei quadros e páginas, mas à medida que a história avançava e o Rodrigo desenhava, encarnando o clima apropriado, eu desencarnava essa decupagem rígida e me aproximava mais do formato cinematográfico de roteiro.

No total foram três anos de pesquisa e roteiro e desenhos.

Outras personalidades importantes para a realização do Kardec são o Lobo, o Chico e o
Chris. Esses caras estão revolucionando o mercado dos quadrinhos com a editora Barba
Negra. O Kardec não poderia acontecer em outra casa e família. Foi na cozinha do apê
do Lobo, em Copacabana, que eu contei para ele sobre Kardec. Pactuamos que ele seria o editor do livro, e ainda nem tinha nascido a Barba Negra. Esse foi o primeiro contrato com a editora. E não será o último.

Nada a ver com o que descobri... No fim, Kardec é uma revelação. Uma saga ao
conhecimento universal. Uma chave para abrir portas e nos conectar com a verdade.
Acredito que depois de escrever este projeto eu não sou tão agnóstico assim, mas isso é outra história...

sábado, 9 de abril de 2011


O PT não tem, nem nunca teve, um projeto de política cultural para o país.
O PT não tem, nem nunca teve — e quem me acompanha na internet sabe que quem
fala aqui é um petista — uma compreensão de política cultural que fosse além
das generalidades do tipo “devemos garantir a expressão das mais variadas
manifestações culturais” ou “devemos criar condições para a circulação da
cultura popular”. Isso não quer dizer que boas secretarias de cultura não
tenham existido nas administrações municipais do partido. Os casos de Porto
Alegre e Belo Horizonte, e mesmo da São Paulo de Luiza Erundina e Marta
Suplicy, podem ser mencionados como exemplos de que, mesmo sem uma política
cultural nacional, é possível fazer com a cultura, em nível municipal, muito
mais que nossas elites tradicionalmente fizeram. Mas as polêmicas recentes
envolvendo o Ministério da Cultura deixaram clara a falta que faz, dentro do
partido, a existência de um projeto coerente para a cultura.

Para entender essa ausência, talvez valha a pena repassar alguns momentos
da história recente da esquerda com a cultura. Dentro desse contexto, é
possível apreciar a revolução que representou a experiência do Ministério da
Cultura de Lula. Divido essa trajetória em quatro momentos, que representam
quatro relações diferentes da esquerda com a cultura brasileira. Não são
momentos estanques, e em certa medida eles se sobrepõem e se misturam. Mas
creio que eles apontam para quatro matizes distintos na relação da esquerda
com a cultura.

• A esquerda partidária e os movimentos sociais organizam um primeiro
projeto orgânico para a cultura brasileira com o CPC da UNE . Fundado em
1961 a partir de uma dissidência do Teatro de Arena, o CPC teve o grande
mérito de instalar a produção cultural no interior da luta pela
transformação da sociedade brasileira. Os cepecistas foram os primeiros a
atentar de modo sistemático para a contradição com a qual brigava a produção
cultural de esquerda – a saber, a de falar para o proletariado mas contar
com um público ouvinte, leitor e espectador que era majoritariamente
burguês. O eixo da intervenção do CPC era o conceito de nacional-popular, ou
seja, uma compreensão de cultura brasileira que afirmava que a arte nacional
seria aquela que tivesse um caráter genuinamente popular. A partir daí, o
cepecismo derivou um dos vícios crônicos da reflexão de esquerda sobre a
cultura: a divisão entre arte e cultura “autenticamente” populares e aquelas
que seriam meros reflexos de uma cultura importada e inautêntica. Daí para
as passeatas contra a guitarra elétrica foi um pulo. Para complicar mais a
coisa, o CPC não percebeu que os limites entre a arte erudita (tolerada), a
cultura de massas (demonizada) e a cultura popular (louvada) eram bem mais
fluidos do que se imaginava ao princípio. A concepção cepecista de cultura
foi derrotada num dos maiores embates culturais da história moderna
brasileira, aquele que opôs o trovadorismo acústico de protesto, à la
Geraldo Vandré (privilegiado pelo CPC como arte autêntica), ao tropicalismo
de Caetano e Gil. Com uma compreensão bem mais sofisticada do que, naquele
momento, ainda não se chamava globalização, o tropicalismo fez com que, em
1968/69, o cepecismo já fosse uma forma anacrônica de entender a cultura
brasileira. Existem intelectuais petistas que, quando falam em cultura
popular, ainda a pensam nos moldes do CPC.

• Ao longo dos anos 70, a esquerda brasileira pensa sua relação com a
política cultural através daquilo que poderíamos chamar o modelo Embrafilme.
A Empresa Brasileira de Filmes não foi sua única representante, mas foi seu
grande emblema. Enquanto dramaturgos de esquerda como Dias Gomes eram
incorporados pela TV Globo como roteiristas de novela, a ditadura absorvia
elementos do discurso nacionalista de esquerda dos anos 60 para formular sua
própria política cultural. Além de outorgar generosos subsídios a
megaconglomerados (TV Globo, Editora Abril etc.), o estado impulsionou uma
nova política de turismo que se alimentava da mercantilização da cultura
popular. No nordeste, as Casas de Cultura Popular operaram em estreita
colaboração com a indústria do turismo. Através de órgãos como o Conselho
Federal de Cultura, o estado faria do ideologema “Cultura para o povo” sua
nova ordem. Para a elaboração de tais políticas, o estado tecnocrático
recorreu, em grande medida, a intelectuais tradicionais e conservadores
remanescentes da antiga sociedade agro-exportadora, então agrupados
majoritariamente em academias de letras e institutos históricos e
geográficos (IBGEs). Na esquerda, a política cultural ficou restrita a uma
variação do conhecido “entrismo”: mesmo com um regime de direita, era
possível “ocupar espaços” (como o da Embrafilme), pagando, no processo, o
preço de ter que coincidir com a ditadura numa visão nacionalista estreita.
Os sucessos da Embrafilme foram notáveis e o cinema nacional chegou a
representar 35% do público espectador no país. Mas o modelo Embrafilme
também contribuiu para que a esquerda não conseguisse pensar a política
cultural mais além do mecenato estatal. A esquerda só deixaria de pensar as
relações entre estado e política cultural fora do mecenato a partir de um
recurso eminentemente mercadológico, a Lei Rouanet.

• Com a redemocratização, as relações da esquerda com a política cultural
entram naquilo que poderíamos chamar o momento Lei Rouanet. O financiamento
da cultura é deslocado para uma parceira entre estado e capital privado,
através da figura da isenção fiscal. A Lei Rouanet, promulgada em 1991, tem
o mérito de oferecer uma alternativa ao mecenato estatal, mas se mantém
presa a um modelo que, na prática, permite ao capital privado fazer
propaganda de si mesmo com dinheiro público. Do ponto de vista da empresa, a
renúncia fiscal só tem sentido se for entendida como investimento em imagem,
o que faz com que sejam privilegiadas as iniciativas que já têm garantidas
um nicho de mercado. Daí os “escândalos” com os quais periodicamente nos
acostumamos na cobertura midiática da Lei Rouanet: um patrocínio estatal ao
Circo de Soleil, por exemplo, ou incentivos para que grandes artistas
globais tenham seus espetáculos de teatro financiados via renúncia fiscal.
Trata-se de iniciativas que não são ilegais nem antiéticas, necessariamente,
mas que contribuem a que a lei termine reforçando a submissão da cultura à
lógica do mercado. No período da Lei Rouanet, reforçam-se os laços entre a
chamada “classe artística” e o PT—entendendo-se a expressão “classe
artística” no sentido em que a entende a atual ministra, ou seja, os grandes
nomes da indústria cinematográfico-teatral-fonográfica do eixo Rio de
Janeiro-São Paulo. Essa aproximação é importante, porque ajuda a entender a
articulação que levou a uma opção de não-continuidade entre os Ministérios
da Cultura de Lula e de Dilma. Nessa articulação, cumpriu papel central um
dos representantes históricos da “classe artística” no PT, o ator Antônio

• O momento Lula é marcado por uma ruptura com concepções anteriores de
política cultural na esquerda. Por uma feliz conjunção de fatores, o
Ministério da Cultura sob Gilberto Gil e, depois sob Juca Ferreira,
revoluciona a compreensão de cultura que tinha a esquerda brasileira. Esse
movimento não passa diretamente pelo PT, mas para ele contribuíram muitos
petistas, especialmente no segundo e terceiro escalões do ministério. Em
primeiro lugar, o MinC Gil/Juca rompe com um velho dogma da esquerda: trata
da produção cultural em diálogo com as novas tecnologias, sem demonizá-las.
Entende que não é possível pensar uma política cultural de esquerda sem uma
compreensão renovada do papel do audiovisual, da internet, das novas
técnicas de reprodutibilidade digital. Entende também que não é papel dos
sujeitos políticos estabelecer distinções entre a cultura que seria
autenticamente brasileira e aquela que não o seria. Nesse sentido, foi o
primeiro ministério da cultura do país que incorporou as lições do
tropicalismo. Além disso, o MinC Gil / Juca abandona de vez o dirigismo
tradicional da esquerda e, ao invés de trabalhar com a ideia de “levar”
cultura à sociedade, estabelece, com o projeto dos Pontos de Cultura, uma
concepção nova e revolucionária: a cultura já está sendo produzida pelos
sujeitos sociais. O que há que se fazer é criar teias, redes, possibilidades
de circulação. O MinC Gil / Juca sai do terreno reservado à cultura (o de
adorno beletrístico) e passa a colocar em xeque os seus sustentáculos
econômicos — daí o projeto de revisão da lei de direitos autorais, que se
choca diretamente com os interesses do lobby das patentes e da propriedade
intelectual. Com uma multiplicidade de fóruns, consultas públicas,
congressos e encontros, o Ministério gera uma massa crítica que se sente
cada vez mais incluída, cada vez mais agente do movimento vivo da política
cultural. Erros aconteceram, limitações houve, e nem tudo foi bem feito. Mas
não há dúvidas de que a gestão Gil / Juca abre um outro paradigma nas
relações da esquerda com a política cultural.

É esse novo horizonte, tão promissor, que se encontra agora ameaçado.

sábado, 25 de dezembro de 2010

Os Sertões dos Anos 2000- Crítica de Ricado Araújo J C

Como adaptar um clássico da literatura brasileira e ainda assim conservar os louros de uma eficiente publicação? Além disso, adaptar um clássico não pela primeira vez, mas um que já teve inúmeras tentativas no cinema - porém não muito bem executadas. Simples! Se desprendendo ao máximo da obra.

É o que fizeram Carlos Ferreira e Rodrigo Rosa, roteirista e desenhista, respectivamente, no quadrinho Os sertões - a luta. A tarefa de condensar cerca de 400 páginas em 80 que mesclam texto e ilustração assustou os autores no princípio, mas a decisão de imprimir liberdade sobre o texto foi fundamental para a realização do trabalho. "Pensei muito no que se falava de que Os sertões era inadaptável, mas ao mesmo tempo acho que é uma narrativa com carga visual muito forte, então encaminhei para uma abordagem mais livre. Não acredito naquele tipo de adaptação meio álbum de figurinhas, que tu ilustras e colocas o texto literalmente. Adaptação é mais do que isso", enfatiza Ferreira.

Usar a obra, mas sem repeti-la, resultou em alterações da narrativa. O personagem principal nos quadrinhos passa a ser o próprio Euclides e o foco passa a ser, além da visão do autor, toda a história referente a Canudos. Para isso, Ferreira e Rosa viajaram para a Bahia onde ficaram três dias conversando com habitantes, estudiosos da revolução e visitando o palco de algumas batalhas. "É importante vivenciar o lugar porque dá um apego sentimental maior com a obra, há outro envolvimento, tu te aproximas mais daquilo tudo", recorda o desenhista. A viagem ainda rendeu o contato com cadernetas de anotações do próprio Euclides e uma vasta pesquisa sobre a Guerra de Canudos - que se apresenta em contextualizações históricas de alguns personagens criados especialmente para os quadrinhos.

O contato com quem vivenciou os embates e a possibilidade de pisar no mesmo solo onde sangue foi derramado foi essencial para incentivar e possibilitar uma liberdade na hora de pensar as narrativas. "Na serra do Campaio, onde aconteceu a segunda batalha, tu podes ter uma separação de tempo, mas, de alguma forma, estando lá tu acabas se impregnando na história. Depois para escrever fica mais fácil, tu entendes a geografia, o clima, imagina a cena exatamente no lugar em que tu estavas", recorda Ferreira.

Originalmente dividido em três partes - A terra, O homem e A luta -, para a adaptação o foco esteve principalmente no último trecho da obra. O motivo da escolha se deu pela narrativa do autor. Primando pela descrição - já que o próprio Euclides esteve em Canudos como correspondente do jornal O Estado de S. Paulo -, Os sertões apresenta pouco diálogo e contextualização dos personagens. Visto que a linguagem dos quadrinhos prima por estes artifícios na sua concepção, adequar o texto de Euclides foi a maior dificuldade de acordo com Ferreira: "Esse foi o momento mais complicado. Eu radicalmente abandonei em muitos momentos a linguagem dele como literatura para usar a minha própria literatura do quadrinho. Existem muitos elementos visuais na obra do Euclides que ao invés de serem registrados como textos, ficaram grafados na imagem."

O sucesso do quadrinho é justamente se assumir como adaptação, uma produção independente da obra. Fato desde o início compreendido pelos autores que afirmam que a nova publicação não substitui o livro de Euclides, mas sim o complementa. "Ele não deixa de ser Os sertões porque existe apropriação literária, de trechos mesmo. Tem a visão do Euclides, mas tem o processo da própria história de Canudos", conclui o roteirista.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

sábado, 24 de julho de 2010

Machete - Red Band Trailer

A voz do Fogo!

"Então eu disse pra eles que se tivessem dito isso 10 anos atrás, quando eu fiz esse pedido, aí poderia ter dado certo. Mas hoje em dia não quero Watchmen de volta. Com certeza não nesses termos", diz Moore à Wired. "Nem tenho um exemplar de Watchmen em casa. O mundo dos quadrinhos tem um monte de conexões desagradáveis, e, quando eu penso nisso, muitas delas têm a ver com Watchmen."

quarta-feira, 21 de julho de 2010

domingo, 18 de julho de 2010

domingo, 11 de julho de 2010

sábado, 10 de julho de 2010

domingo, 4 de julho de 2010

Philips Cinema - Parallel Lines - The Gift, by Carl Erik Rinsch

Galeria Iluminada 1

David Plant


Santiago Caruso

Daniel Campos


Gabriel Ferreira

Tom Karlsson

Leandro Adriano

Rafael Sica


quinta-feira, 1 de julho de 2010

Galeria Iluminada

Boa noite!
No próximo domingo será inaugurado um novo espaço aqui no Quadrinhos Criticados.
A Galeria Iluminada.
Trata-se de um espaço para exposição de artes. Um lugar que não será nada convencional. Dez obras (dez artistas diferentes) serão abduzidas para o Quadrinhos Críticados Arquiteto das Sombras.
O objetivo dessa galeria será criar intervenções e reações no seu cotidiano. Quem sabe acrescentar magia na sua vida. Ou...

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Nova HQ!

Página 1

Página 2

Página 3

Página 4

Página 5

Página 6

Página 7

Página 8

Junte se a nós e participe do *DiaSemGlobo* em apoio a Dunga.

O técnico da seleção brasileira abriu fogo contra a Rede Globo.Dunga deu na
canela do comentarista Alex Escobar, da Globo. Poucas horas depois, um dos
apresentadores do programa Fantástico, Tadeu Schmidt, da África leu um
editorial da emissora detonando Dunga.
Tudo tem um porque, antes do ataque ao Dunga no Fantástico, o Jornal O Globo
já havia descido a lenha na seleção e principalmente no seu treinador.
Qual a razão dessa súbita mudança de comportamento ?
Vamos aos fatos :
Segunda feira, *véspera do jogo de estréia* da seleção brasileira contra a
Coréia do Norte, por volta de 11 horas da manhã, hora local na África do
Eis que de repente, aportam na entrada da concentração do Brasil, dona
Fátima Bernardes, toda-poderosa Primeira Dama do jornalismo televisivo,
acompanhada do repórter Tino Marcos e mais uma equipe completa de filmagem,
iluminação etc.
Indagada pelo chefe de segurança do que se tratava, a esposa
do poderoso William Bonner sentenciou :
“ Estamos aqui para fazer uma REPORTAGEM EXCLUSIVA para a TV Globo, com o
treinador e alguns jogadores...”
Comunicado do fato, o técnico Dunga, PESSOALMENTE dirigiu-se ao portão e
após ouvir da sra. Fátima o mesmo blá-blá-blá, foi incisivo, curto e grosso,
como convém a uma pessoa da sua formação:
“ Me desculpe, minha senhora, mas aqui não tem essa de “REPORTAGEM
EXCLUSIVA” para a rede Globo. Ou a gente fala pra todas as emissoras de TV
ou não fala pra nenhuma...”
Brilhante !!! Pela vez primeira em mais de 40 anos, um brasileiro peitava
publicamente a Vênus Platinada !!!
“ Mas... - prosseguiu dona Fátima - esse acordo foi feito ontem entre o
Renato ( Maurício Prado, chefe de redação de esportes de O Globo ) e o
Presidente Ricardo Teixeira. Tenho autorização para realizar a matéria”.
Dunga: - “ Não tem autorização nem meia autorização, aqui nesse espaço eu é
que resolvo o que é melhor para a minha equipe. E com licença que eu tenho
mais o que fazer. E pode mandar dizer pro Ricardo ( Teixeira ) que se ele
quer insistir com isso, eu entrego o cargo agora mesmo!”
O treinador então virou as costas para a supra sumo do pedantismo e saiu sem
ao menos se despedir.
Dunga pode até perder a classificação, a Copa , seu time pode até tomar uma
goleada, qualquer fiasqueira na África, mas sua atitude passa à história
como um exemplo de coragem e independência frente a uma das instituições
privadas mais poderosas no País e que tem por hábito impor suas vontades,
eis que é líder de audiência e por isso se acha acima do bem e do mal.
Em linguagem popular, o Dunga simplesmente mijou na Vênus Platinada ! Sugiro
uma estátua para ele!!!
Após a poderosa Globo a mesma que levou o Collorido ao poder e depois o
detonou por seus interesses, agora difama o Dunga, tá certo que o cara é
meio Ogro, mas não teve o direito de se defender dos ataques em momento
Falar mal do cara é liberdade de imprensa
Ouvir o cara não pode?
A reação do povo foi imediata.O editorial lido no programa "Fantástico", da
Rede Globo, deu repercussão no mundo virtual. E pela primeira vez na
história o Brasil inteiro apóia o técnico da Seleção. Só a Globo para
conseguir isso...
Dentre os assuntos mais comentados no Twitter nesta segunda-feira (21), a
frase "Cala boca, Tadeu Schmidt" era líder absoluta --superou até a
antecessora "Cala Boca, Galvão", que liderou por dias seguidos os Trending
E não parou por ai. Em apoio ao técnico da seleção brasileira, os twiteiros
lançaram o "DiaSemGlobo", que será nessa sexta-feira, quando o Brasil vai
jogar com a seleção de Portugal, no encerramento da primeira fase da copa.
Todo mundo na Band, ou m outra emissora, não vamos sintonizar a Globo na
sexta-feira, temos que começar a deixar de ser gado manso, mostrar que não
somos trouxas manipuláveis.

domingo, 20 de junho de 2010

sábado, 19 de junho de 2010

Arquiteto das Sombras!

Boa noite!

A partir de agora, à nova fase do blog Quadrinhos Criticados Arquiteto das Sombras.
A revista virtual parida com o objetivo e objeto denominado quadrinhos.
Aqui resenhas das histórias em quadrinhos. Também críticas das publicações. Textos sobre os gêneros. Informações dos eventos, festivais, salões e principalmente autores. Sim, autores das histórias em quadrinhos são dissecados para o bem e para o mal. Acontece tudo isso de uma forma nada convencional neste blog.
Nada é dito de forma politicamente correta, formal ou com a mirada de lucro nas classes, ou sociedades secretas que influenciam a conspiração invisível da comunidade dos quadrinhos. Sim, essa conspiração existe!
Também aqui se publica quadrinhos. E diferente de uma outra fase que acontecia às publicações onde as histórias não eram sempre completadas - (falo principalmente do Zero) -agora a regra será outra. Em breve teremos a publicação em postagem periódicas de uma novela gráfica chamada Deus Digital.
Vamos continuar com os nossos vídeos, assuntos nada a ver e tudo a ver com quadrinhos. Sem esquecer que mais artigos sobre séries de tevê vão pintar por aqui. Já que tenho muito que falar sobre o falecido LOST, THE WIRE, THE SOPRANOS E outras séries que marcaram a primeira década do século XXI.
Também vou começar a escrever aqui sobre magia e ciência. Dois dos assuntos onde a minha cabeça lateja neurótica nesses tempos peculiares. Também sobre CAOS, COSMOS e ENTROPIA.
Não posso esquecer que os extraterrestres, o sobrenatural e o realismo fantástico estarão no nosso palco.
Cidades, bares e a boêmia. Filmes, desenhos e música!
Quadrinhos Criticados Arquiteto das Sombras é quase uma rádio, um experimento multimídia. Uma droga lisérgica. Um laboratório ou caverna mágica. É como sexo.
Vida e morte ao Arquiteto!

The Cat with Hands

quarta-feira, 9 de junho de 2010

domingo, 30 de maio de 2010

sábado, 29 de maio de 2010

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Eu verbo!

Falamos demais. Devíamos falar menos e desenhar mais. Pessoalmente, eu gostaria de renunciar a fala e comunicar tudo em esboços o que tenho a dizer.

terça-feira, 27 de abril de 2010

Extraído de um e-mail da Grafar

Em uma recente entrevista dada ao jornal americano The New York Times, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, revelou que sua administração deu sinal verde para o estudo e desenvolvimento de um novo tipo de conceito de ataque militar, sem o uso de armas nucleares mas com o mesmo poder destrutivo. Tal conceito chama-se Prompt Global Strike, um sistema de ataque com mísseis e armamento "convencional" que pode atingir qualquer ponto do planeta em até uma hora.

Apoio político e financeiro ao projeto não falta. Robert Gates, o secretário da Defesa, revelou na emissora americana ABC que a administração já abraçou o Prompt Global Strike. Prova disso são os US$ 250 milhões que Obama pediu ao Congresso para explorar a tal alternativa, que combina tecnologia militar e aeroespacial de ponta. John McCain, candidato presidencial republicano em 2008, também já manifestou o seu apoio a um programa que tem tanto de "caro como de essencial".

As reservas relativas à nova geração dos mísseis Trident, inicialmente pensados para incorporar o "Prompt Global Strike", fez com que muita gente no Departamento de Defesa se virasse para alternativas. A resposta deverá ser um míssil cujo projeto chama-se X-51: uma arma que os radares de Pequim e Moscou teoricamente não confundirão com um míssil nuclear.

Utilizando tecnologia espacial da NASA, esta será a única arma não nuclear capaz de atingir velocidade de Mach-5 (5.793 quilômetros por hora) e que utiliza os efeitos brutais da velocidade hipersônica para destruir os alvos com a força cinética aliada a uma ogiva "convencional".

De acordo com o Pentágono, este sistema não estará operacional antes de 2015 e o mais provável é que o seu desenvolvimento se prolongue até 2020. De acordo com a ficção científica militar americana, essa arma pode ser lançada de um bombardeiro B-52 e seria capaz de estilhaçar uma central nuclear iraniana ou norte-coreana, destruir um navio carregado de armamento no Oriente Médio ou ainda explodir o esconderijo de Bin Laden — que os Estados Unidos desistiram de encontrar há muito.

Tudo isso com cinematográfica "precisão extrema", em poucos minutos e com uma potência localizada equiparada à de uma bomba nuclear. E tão "humanitária" que não "sujaria" o ambiente ao redor, como acontece com a radiação emitida em uma explosão atômica.

Pentágono prevê ativação até 2015

O Pentágono espera posicionar uma primeira versão da nova arma em 2014 ou 2015. Mas mesmo segundo os prazos mais otimistas, um conjunto completo de mísseis, ogivas, sensores e sistemas de controle só deverá entrar para o arsenal entre 2017 e 2020, muito depois de Obama ter deixado o governo.

O planejamento do PGS está sendo chefiado pelo general Kevin P. Chilton da Força Aérea, o mais alto oficial do Comando Estratégico das Forças Armadas e o homem encarregado pelo arsenal nuclear americano. Na administração Obama, a nova parte do trabalho do general Chilton é conversar a respeito de "alternativas convencionais".

Falando a partir da Base Offutt da Força Aérea, o general Chilton descreveu como a capacidade convencional oferecida pelo sistema proposto daria ao presidente "mais opções".

"Hoje, nós podemos apresentar algumas opções convencionais ao presidente para atacar um alvo em qualquer parte do globo, variando de 96 horas a várias horas, talvez quatro, cinco ou seis horas", disse Chilton.

"Isso, contudo, não seria rápido o bastante", destacou, "caso chegasse um dado do setor de inteligência sobre uma movimentação de terroristas da al-Qaida ou o lançamento iminente de um míssil".

"Se o presidente quiser agir contra um alvo em particular mais rapidamente do que isso, a única coisa mais rápida que temos é uma resposta nuclear", disse.

O que é

O Prompt Global Strike (PGS) é uma iniciativa militar americana que pretende desenvolver um sistema capaz de desferir um ataque militar convencional em qualquer parte do mundo em apenas uma hora, do mesmo modo que um ataque militar nuclear pode ser realizado atualmente com mísseis balísticos.

Como declarado pelo general americano James Cartwright, "hoje, a menos que se decida pelo uso de armas atômicas, gasta-se dias, talvez semanas", até que um ataque militar com forças regulares possa ser lançado.

O objetivo desse sistema é prover de capacidade rápida de ataque convencional a partir do território dos Estados Unidos contra qualquer parte do globo terrestre em um caso de emergência ou conflito. O sistema PGS será implementado para complementar as outras partes do sistema estadunidense de agressão global, com um sistema que pode desferir um ataque contra qualquer lugar do planeta ou do Espaço em até 60 minutos.

O sistema é visto pela administração Obama como um meio de reduzir o arsenal nuclear e os gastos envolvidos nele, enquanto mantém capacidade idêntica de destruição. Entretanto, esse sistema é capaz de, ao ser acionado, ativar os sistemas de defesa nucleares de Rússia e China, o que teria feito a administração Bush engavetar o projeto.

Ainda não estão claros os detalhes técnicos e as precauções que deverão ser tomadas para assegurar a esses países que o míssil lançado não carrega ogivas nucleares. Alguns técnicos militares sugerem mísseis de trajetória de baixa altitude ou até inspeção dos sítios de lançamento por russos e chineses.

A tecnologia desse sistema preocupa tanto outras nações que a administração Obama acabou cedendo às exigências da Rússia para que os Estados Unidos desativem um míssil nuclear para cada míssil PGS. Essa disposição foi tratada no último acordo fechado entre EUA e Rússia, assinado por Obama e Medviédev em Praga.

Em 11 de abril, o secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, indicou que o país já possui capacidade para desferir um ataque pelo Prompt Global Strike. O tratado assinado entre russos e americanos em 8 de abril não distingue armas nucleares de convencionais, significando que cada míssil do sistema PGS ou ogiva nuclear será considerado para os limites de armamento estipulados no acordo. Entretanto, o Departamento de Estado dos EUA declarou que isso não deve interferir nos planos de desenvolvimento do PGS, já que não ultrapassaria o limite estabelecido.

Fabiano Gummo Says:

January 29, 2010 at 8:38 pm
reflexo do eu-anti-simétrico, 2009.

1) Cem agulhas atravessam cem pupilas no manicômio-universidade;

2) A Assembléia dos Exploradores da Consciência alerta que é quase impossível termos certeza de alguma coisa;

3) “É como a estrutura do universo”. Como o substrato do nada. Camadas e camadas de lençóis;

4) Racional ou não, sonhamos, e não existimos;

5) Janelas observam a enxurrada de adrenalina nos caminhos que compõem a rede de passarelas;

6) A Sonoridade tubular é o anseio pela obsessão;

7) Correlações de mim com a parte homuncular de mim mesmo;

Onde eu quero chegar? Aos confins das estações do metrô, ao tratado mental, ao resgate, aos transformadores zumbindo, aos macacos, aos humanóides, ao mimetismo metamórfico, ao movimento sem relativismo, ao gemido noturno, ao triceratops, ao interurbano, aos desaparecimentos, ao poder de mentir, ao sacrifício materno, ao câncer, aos planos de fuga, ao reduto da estética, ao karma, ao antagônico palco, às clínicas geriátricas, aos efeitos sem causas, ao passado;

9) Vejo a catarse holística e catatônica;

10) Personifico o imaginário de quem eu represento;

11) Um torpedo lançado ao mar por um geneticista psicopata;

12) Amortecendo as pauladas no occipital;

13) Galopando no caos noturno;

14) Deslumbrado com o formigueiro ao contrário;

15) Comendo a ratazana pelo rabo;

16) Neuroplastia sintetizada: “cérebro-resposta”;

17) Os móveis são familiares, mas não estão ali;

18) Foda-se Deleuze;

19) Pode ser um elo marcado nos sonhos que divide a iminência do reencontro;

20) Vendo um mundo inacabado;

21) Nascer-morrendo emparedado 9 meses no interior de alguém;

22) Descolando o senso de direção;

23) Andando sonolento pelos campos elétricos;

24) Mapeamento mental;

25) Bolhas humanas infladas;

26) A busca do glúon primordial;

27) Um restaurante no km-23, com eucaliptos ao redor;

28) Nuvens grafite no céu e o som alienígena ecoando;

29) O asfalto serpenteando monolitos assimétricos;

30) Demolição coerente do constructo orgânico;

31) As portas estão do avesso;

32) Cegos e contextualizados;

33) Uma depressão automobilística trincada;

34) Entrego minhas botas ao Dr. Hans Drüb;

35) Querida mãe, dormindo no vórtex;

36) Torrente de espectro policromático diluído em duas esferas de matéria condensada;

37) Mostra a potência das indústrias à esquerda e dezenas de novas sombras à direita;

38) Nos cortamos em cercas de arame farpado, buscando messias que dormem pregados à cama. Ou mártires chumbados no álcool, com olhos de areia grossa;

39) Essa é a Síndrome Criogênico Stambul;

40) São os filhos do código de barras, do código genético;

41) Usando truques para enganar velhas semi-radicais .

42) São réplicas idênticas de um modelo, ensembles;

43) Clones sem almas;

44) Sabedoria da decadência, enterrando os vestígios da idolatria;

45) Há uma regulagem para o método, esta se baseia no conformismo e no condicionamento extremo de não viver mergulhado em bilhões de pensamentos emaranhados num único crânio, mas em vários;

46) Os indecifráveis pictogramas da carne;

47) Claro que nunca mais vou ser um só, visto que um de mim é na realidade a superposição de incontáveis eus – como num baralho infinito;

48) Até onde sabemos, a estrutura visceral dos constituintes sociais atingiu um nível limite;

49) Existe, entranhado no interior da sociedade, aquilo que chamamos de “fraqueza conquistada”, ou seja, a vontade quase involuntária de destruir a realidade;

50) Um complexo de redes tridimensionais acopladas num único bloco;

51) Acreditando numa realidade de processos irreversíveis dentro do sistema de pessoas;

52) Toda fonte de conhecimento colapsa;

53) Tudo pode ser mudado;

54) Uma partícula constituinte do fluxo de carne;

55) Do céu brota a nova ordem formada por gigantescas esferas controladoras da mente;

56) É a época das sombras revivida eternamente;

57) Somos o recheio do bolo de merda;

58) Isolar aquilo que acreditamos, defendendo durante séculos uma verdade defeituosa e real, é a manifestação viva da angustiante distopia na qual estamos imersos;

59) Transformar a carne esponjosa em algo mais denso;

60) Narcóticos fulminantes e catastróficos;

61) Perdemos tudo em vórtices de sangue;

62) A sabedoria não está em lugar algum;

63) Um insight clarividente do homem-máquina moral que atingiu o apogeu;

64) A lucidez é uma flutuação entre dois mundos;

65) O patamar da loucura é manipulada por cosméticos, laptops e asfalto;

66) Visitando cada recanto úmido do limite entre o dura-máter e o crânio;

67) Imerso em gargantas que desejam gritar, mas que acabam sempre soluçando, e é só;

68) Preso na crosta encefálica, vagando em campos cerebrais;

69) É quando os segundos tranformam-se em décadas e as décadas tranformam-se em segundos;

70) A panspermia repousa na beirada sangrenta e auto-complascente da puta que pariu;

71) A fumaça do escapamento e a chuva, formam o Grande Show da Vela Flamejante;

72) A coisa que é o mundo e as coisas que limitam o mundo são engolidas pela coisa que é a vida;

73) Aquela que solda a mente dentro da cabeça;

74) Ele dorme flutuando na planície nervosa;

75) O começo de tudo e de tudo de novo;

76) É a cabeça-cupinzeiro;

77) Do vácuo-compressor cotidiano ergue-se o detonador da revolta criativa;

78) Um minúsculo homem operando dentro da cabeça de um homem maior e dentro da cabeça desse minúsculo homem, outro, ainda menor… e assim por diante;

79) Esse é o barulho da multidão que não respira!