domingo, 22 de novembro de 2009

Zero!

Há dez anos, eu tive a ideia que hoje é até banal. A ideia era fazer um webquadrinhos. Por favor, não me entendas mal. Não estou dizendo que criei essa plataforma virtual. Ao contrário, eu na época fiquei curioso sobre essa tal internet, e pensei que estava na hora de me recriar começar do zero como autor de quadrinhos. Não só em um veículo, como em estilo. Buscar um novo jeito, um novo caminho de produzir quadrinhos. Então criei um novo personagem, falo de Zero. Eu não só queria fazer uma hq na web como queria falar do meu território e época. O fim dos anos 90 foi uma época peculiar na minha vida. Era o fim dos meus vinte e poucos anos. Fim do século, fim do milênio, fim de um relacionamento...
Mas também uma época que tudo começou e se consolidou. Ano de 1999, foi um ano que me integrei com a turma que fazia cinema de Super 8, as nossas reuniões regradas a tragos fenomenais no Ossip, depois finais de noites no Garagem Hermética, ou as vezes o destino era Quarta Quebrada e outras festinhas malucas no Ocidente com uma mulherada doida e confusa. Muitas drogas, sexo e rock and roll.
Coletei várias histórias psicodélicas e entre essas histórias nasceu Zero.
Para comemorar os 10 anos do Zero, vou postar essa hq aqui nos Quadrinhos Criticados. Boa leitura!

Página 1

Página 2

Página 3

Página 4

página 5

Página 6

página 7

Página 8

Continua...

2 comentários:

Ethon disse...

Legal esse "passado composto" desdobrado, num tempo narrativo presente, num formato diferente da paginação bolado, lógico, pelo conceito que então já se pescava, parabéns... pela argumentação e cena do apê na sequência. Se eu tivesse "cara" dizia para botar logo a(s) seqüência(s)(também algum linque para algum/uns "Caos" também pareceria combinar).

Ethon disse...

Ops, a proposta "passado composto" ali no teu "menina morango" é diversa, algum tom narrativo e estilístico os aproximam ou irmanam, não confundem, propõem como olhares sobre trajetórias, casualmente urbanas, de cenas supostamente familiares de nossa cidade-mundos. Segue o baile...